Adriano Albuquerque é jornalista esportivo e serviu como editor e repórter do site BasketBrasil (http://www.basketbrasil.com.br) por cinco anos, entre 2005 e 2010. Já passou pelas redações do diário LANCE! e do site Globoesporte.com, e cobriu diversos esportes como basquete, futebol americano, futebol, beisebol, streetball, tênis, vôlei e natação. Também foi assessor de imprensa da Federação de Futebol Americano do Rio de Janeiro e do Botafogo Mamutes. Atualmente, cobre MMA para o SporTV.com. É torcedor do Detroit Pistons desde os tempos dos Bad Boys de Isiah Thomas, Joe Dumars e Bill Laimbeer.

Quem Vai Levar - Sexto Homem: Disputa Acirrada

A corrida pelo prêmio de Sexto Homem do Ano está sem uma atualização aqui na coluna há muito tempo, desde os prêmios do primeiro bimestre, e está mais do que na hora de voltar a falar dessa premiação que é uma das mais subestimadas, mas mais concorridas da temporada. Diferentemente de outros anos, em que havia um reserva de destaque claro, este ano temos inúmeros candidatos dignos do troféu e muita gente que vai ficar de fora.

Meu primeiro critério para separar os sextos homens é que eles precisam ter jogado pelo menos metade da temporada saindo do banco, e, com cerca de 10 jogos restando para a maioria dos times, isso significa que, aqui, todos que tiverem menos de 31 jogos como reservas estão descartados (já que a temporada tem 82 jogos, cuja metade é 41). Desculpe, Anderson Varejão, mas este ano você está fora da competição. Ao mesmo tempo, é complicado dar o prêmio para alguém que começou a temporada como reserva, mas terminou como titular, mesmo que ele tenha jogado mais de 41 jogos saindo do banco. A promoção a titular já é uma premiação pelo desempenho como reserva, não é? O ala-pivô Jeff Adrien jogou bem como reserva no Bobcats, ganhou a confiança do treinador ao ser trocado para o Bucks e virou titular após lesões de Ersan Ilyasova e Larry Sanders. Será que ele ainda conta como sexto homem?

Outra coisa que levo em consideração é que cada time tem somente um sexto homem, o primeiro a sair do banco, o que fica mais tempo em quadra. Então, por exemplo, se Taj Gibson é o sexto homem do Bulls, DJ Augustin vai ficar de fora da corrida, apesar de ser um dos melhores reservas da temporada e ter revitalizado a equipe. Foi mal, DJ!

Ainda eliminados todos esses fatores, temos muitos candidatos dignos. Nick Young realmente brilhou como sexto homem do Los Angeles Lakers e virou uma das poucas razões para sorrisos dos torcedores da franquia roxa e dourada. Ele é o cestinha entre jogadores reservas, com 18,1 pontos por jogo. Tyreke Evans e Dion Waiters entraram nos eixos por seus respectivos times e têm sido peças fundamentais, especialmente na segunda metade da temporada. Andray Blatche é o homem de referência do Brooklyn Nets quando a segunda unidade entra em quadra - quem diria! Markieff Morris foi talvez o reserva que mais contribuiu para vitórias de sua equipe, o Phoenix Suns, em toda a NBA. E Reggie Jackson passou boa parte da temporada como titular, no lugar do lesionado Russell Westbrook, mas manteve o bom nível ao voltar ao banco, onde deve terminar a campanha deste ano.

Em nível de PIE (estimativa de impacto do jogador), os três melhores colocados nesta temporada incluem dois ex-vencedores do prêmio e uma surpresa: Brandan Wright, do Dallas Mavericks, Jamal Crawford, do Los Angeles Clippers, e Manu Ginóbili, do San Antonio Spurs. Wright, que nunca pareceu ser nada de especial, vem contribuindo e muito para o sucesso do Mavs, especialmente na defesa, e tem o PIE mais alto entre os reservas, com 13,6%, à frente de Crawford (13,2%) e Ginóbili (13,1%). Por outro lado, o percentual de usagem do pivô, 18,3%, é bem abaixo do de Crawford, líder nesta estatística, com 28%. Manu tem 24,2%.

Aqui nesta coluna, o prêmio ficará com Jamal Crawford, que já merecia a honraria no ano passado, mas foi superado por pouco por JR Smith. Este ano, Crawford não só foi mais consistente que antes, como também foi espetacular enquanto o titular Chris Paul estava lesionado no meio da temporada e ajudou a segurar a barra para o Clippers. O vencedor de 2009-10 tem sido um tantinho mais importante para o Clippers que o vencedor de 2007-08, Ginóbili, tem sido para o Spurs.

Confira como está o top 10 da corrida pelo Sexto Homem do Ano (obs: todas as estatísticas dos jogadores contam apenas suas atuações como reservas):

1. Jamal Crawford, Los Angeles Clippers - 13,2% PIE, 28% USG%, 17,2 pts, 2,4 rebs, 3,2 asts

2. Manu Ginóbili, San Antonio Spurs - 13,1% PIE, 24,2% USG%, 12,5 pts, 3,0 rebs, 4,5 asts

3. Brandan Wright, Dallas Mavericks - 13,6% PIE, 18,3% USG%, 9,0 pts, 4,2 rebs, 0,6 asts

4. Markieff Morris, Phoenix Suns - 12,4% PIE, 23,6% USG%, 13,8 pts, 5,9 rebs, 1,7 asts

5. Andray Blatche, Brooklyn Nets - 12,2% PIE, 25,2% USG%, 11,3 pts, 5,4 rebs, 1,5 asts

6. Taj Gibson, Chicago Bulls - 11,9% PIE, 23,7% USG%, 12,6 pts, 6,5 rebs, 1,3 tocos

7. Reggie Jackson, Oklahoma City Thunder - 12,6% PIE, 22,3% USG%, 12,4 pts, 4,1 rebs, 3,3 asts

8. Nick Young, Los Angeles Lakers - 9,4% PIE, 27,2% USG%, 18,1 pts, 2,6 rebs, 1,5 asts

9. Tyreke Evans, New Orleans Pelicans - 11,9% PIE, 27,1% USG%, 12,1 pts, 4,5 rebs, 4,5 asts

10. Dion Waiters, Cleveland Cavaliers - 9% PIE, 26,7% USG%, 14,7 pts, 2,8 rebs, 2,7 asts

Na cola: Rodney Stuckey, Detroit Pistons; James Johnson, Memphis Grizzlies; Draymond Green, Golden State Warriors

NBA nas redes sociais

Vídeo