Adriano Albuquerque é jornalista esportivo e serviu como editor e repórter do site BasketBrasil (http://www.basketbrasil.com.br) por cinco anos, entre 2005 e 2010. Já passou pelas redações do diário LANCE! e do site Globoesporte.com, e cobriu diversos esportes como basquete, futebol americano, futebol, beisebol, streetball, tênis, vôlei e natação. Também foi assessor de imprensa da Federação de Futebol Americano do Rio de Janeiro e do Botafogo Mamutes. Atualmente, cobre MMA para o SporTV.com. É torcedor do Detroit Pistons desde os tempos dos Bad Boys de Isiah Thomas, Joe Dumars e Bill Laimbeer.

Muito Mais do que Confiança

A esta altura do dia, você já deve saber do que transcorreu na quinta-feira: um jornal de Oklahoma City usou a manchete ‘Mr. Unreliable’ para descrever Kevin Durant (a tradução direta, ‘Sr. Duvidoso’, não é muito boa; o que ela significa, literalmente, é que Durant "não é confiável") na série contra o Memphis Grizzlies. Em seguida, KD respondeu marcando 36 pontos para liderar o Thunder a uma vitória relativamente fácil, 104 a 84, para igualar a série contra o Grizzlies em 3 a 3 e forçar um jogo 7, a ser disputado neste sábado, dia 3, em Oklahoma City.

A manchete do jornal ‘Oklahoman’ foi muito discutida por todo o dia na quinta-feira, e as manchetes desta sexta se tornaram fáceis de escrever:

‘Sr. Confiável’, ‘Sr. Indefensável’, etc. O editor esportivo do jornal publicou um pedido de desculpas público a Durant antes mesmo do jogo, dizendo que a manchete era injusta e livrando o autor da coluna chamada pelo título de culpa (manchetes de primeira página de jornais impressos geralmente são escritas por editores e não pelos próprios colunistas/repórteres).

Talvez, os torcedores do Oklahoma City devessem agradecer aos editores do jornal. A manchete pareceu uma clara provocação a um jogador que claramente se motiva através de críticas e desdenhos alheios. Fãs mais antigos vão lembrar que Michael Jordan marcou seis cestas de três pontos no primeiro tempo do primeiro jogo contra o Portland Trail Blazers nas Finais de 1992 após ter sua pontaria de longa distância questionada por veículos de imprensa. Durant funciona mais ou menos do mesmo jeito. O próprio já admitiu que cansou de ser ‘Nº 2’, como foi no Draft para Greg Oden e nos últimos anos na disputa com LeBron James pelo prêmio de ‘MVP’.

Tudo isso impulsionou sua temporada histórica de 2013/2014. Ele foi gracioso ao dizer que a manchete não o incomodou e que entendia que os jornais têm de escrever frases de impacto para vender, mas seu olhar perplexo ficou claro quando ouviu um repórter lhe contar sobre seu ‘novo apelido’:

- Eu não sou confiável? - disse Durant, num daqueles momentos que dá vontade de chorar de pena. KD respondeu igualando seu melhor total de pontos na série (36, marca obtida também no jogo 2) e conquistando seu melhor aproveitamento em lances livres (14 de 15, 93,3%).

Porém, assim como reduzir o insucesso do Oklahoma City Thunder a uma manchete questionando a confiabilidade de Durant foi injusto, resumir a vitória da equipe no jogo 6 a um ‘renascimento’ do mesmo também é. Tanto o desempenho decepcionante do ala nos quatro jogos de ‘miolo’ da série foram frutos de um trabalho coletivo - do Grizzlies - como sua boa atuação na última partida foi fruto de uma performance melhorada de sua equipe.

Por partes: a coluna do jornal dava 99% de crédito dos problemas de Durant ao excelente trabalho defensivo feito pelo Memphis, especialmente a dupla Tony Allen e Marc Gasol (Allen como marcador primário e Gasol como eficiente dobra de marcação sempre que KD tentava entrar no garrafão). O outro 1%, que gerou a manchete duvidosa, tratava da confiança do próprio Durant, refletida no pífio aproveitamento na linha de lance livre nos jogos 4 e 5 (7 de 12, 58,3%), quando a média do ala na temporada foi de 87,3%. Neste quesito, a manchete pode ter feito efeito, sim: não só Durant foi mais à linha do que em toda a série, como mostrou foco e pontaria certeira que lhe estavam escapando. (A propósito, temos que mencionar que a pontaria de Durant nos chutes de três pontos, realmente, não tem sido confiável, e continuou não sendo no jogo 6: ele errou todos os seus seis chutes, um deles completamente livre após Serge Ibaka puxar a marcação de Allen).

A vitória do Thunder e o bom desempenho de Durant, porém, têm mais a ver com os ajustes da equipe do que com qualquer manchete ou ‘retorno milagroso’ da confiança do ala. Começou com o treinador Scott Brooks ouvindo o que comentaristas e torcedores vinham pedindo há alguns dias e lançando Caron Butler no time titular no lugar de Thabo Sefolosha. Butler vinha convertendo pouco abaixo de 50% em chutes de três pontos na série e o Grizzlies não poderia largá-lo sozinho para dobrar a marcação em Durant.

Outra mudança vital foi dar mais tempo de jogo ao calouro Steven Adams: após jogar um total de nove minutos nos quatro jogos anteriores, o neozelandês recebeu 20 minutos na quinta-feira. Adams trouxe um corpo mais ágil à defesa do Thunder, capaz de marcar os perigosos Zach Randolph e Marc Gasol e ainda bloquear arremessos na ajuda - terminou com cinco tocos na partida. Além disso, fez bons bloqueios para livrar Kevin Durant no ataque.

Essa foi outra diferença: Adams, Ibaka, Russell Westbrook, Derek Fisher e Reggie Jackson fizeram um melhor trabalho em colocar Durant em boa posição para receber a bola. O Thunder aproveitou ao máximo a insistência do técnico do Memphis, Dave Joerger, em escalar Tayshaun Prince no time titular e manter Allen como ‘Sexto Homem’, e procurou KD bastante no início do jogo. Resultado: 14 pontos para o ala no primeiro quarto.

Westbrook e Jackson jogaram muito ofensivamente e marcaram 25 e 16 pontos, respectivamente. A lesão que tirou Mike Conley do jogo no meio do terceiro quarto também prejudicou demais o Grizzlies.

E vamos ao jogo 7. Times que jogam a sétima partida em casa têm quase 80% de aproveitamento, e o Thunder derrotou o Grizzlies em situação semelhante nas semifinais da Conferência Oeste em 2011. Porém, o time visitante venceu os últimos três jogos nesta série; o time da casa só venceu dois dos seis jogos. Quem vai aparecer: a defesa sufocante do Grizzlies, ou o esforço coletivo do Thunder para fazer Kevin Durant brilhar? Veremos no sábado.

NBA nas redes sociais

Vídeo